Arquivo do blog

Compartilhe

31 de mar de 2011

O que deu nestes senhores?

Esta foi a primeira pergunta que me fiz ao acessar o site "G1" e me deparar com isto:

Print de página do "G1" em 31/03/11, às 21h51 (foto: internet)
O deputado federal Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), 38 anos, disse nesta quinta-feira (31) pelo Twitter que africanos "descendem de ancestrais amaldiçoados por Noé" e afirmou que gays têm "podridão de sentimentos" que, segundo ele, "levam ao ódio, ao crime e à rejeição".

Pastor da Assembleia de Deus há oito anos, Feliciano é deputado em primeiro mandato. Ele disse que costuma dar pelo Twitter respostas a perguntas de caráter religioso, postadas no microblog por ele e por assessores - só não pode querer, depois, dizer que esta ou aquela bobagem foi twittada pela equipe.


Print da página de Marco Feliciano no Twitter (foto: internet)

"Sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, aids. Fome... etc", escreveu o deputado. Noutro post, disse que "a maldição q Noe lança sobre seu neto, canaã, respinga sobre continente africano, dai a fome, pestes, doenças, guerras étnicas". Quanta demonstração de conhecimento inútil!

Segundo o deputado, as afirmações que fez sobre africanos têm fundamento teológico. "Não tem nada de comentário racista".

Tem a quem puxar

Marco Feliciano concordou com o deputado Jair Bolsonaro, que avaliou a homosexualidade como algo promíscuo. Nesta semana, o parlamentar do PP do Rio de Janeiro foi alvo de polêmica ao responder a uma pergunta da cantora Preta Gil no programa "CQC", da Band. Ela indagou como ele reagiria se um filho namorasse uma negra. O deputado respondeu: "Preta, não vou discutir promiscuidade com quer que seja". Depois, Bolsonaro disse que não compreendeu a pergunta e que entendeu que a cantora se referia a gays. Você acreditou? Eu não.

Ontem (30), Bolsonaro voltou a fazer declarações polêmicas ao chegar para o velório do ex-vice-presidente José Alencar. Não poderia ter escolhido outro lugar para desfiar suas asneiras. Sabe por quê? Porque a mídia estava presente em massa naquele local. Ele jamais deixaria de aproveitar a oportunidade para "aparecer". Ainda bem que a escuridão desta pessoa não conseguiu ofuscar o brilho da emoção que emanou do adeus ao ex-vice presidente. Desta vez, o alvo foi o movimento gay. "Estou me lixando para o movimento gay. O que eles têm para oferecer? Casamento gay? Nada disso acrescenta nada", disse. O parlamentar falou ainda que não teme investigações contra ele na Corregedoria da Casa. "Soldado que vai à guerra e tem medo de morrer é covarde", comentou.

O que nós, cidadãos e eleitores podemos esperar de líderes como estes dois, carregados de repressão, preconceito, falta de ética (poderiam ter guardado seus pensamentos antiquados apenas para eles mesmos) e completamente desatualizados com a realidade em que vivem? Esta foi a segunda pergunta que fiz a mim mesmo quando entrei no "G1" e me deparei com isso.


2 comentários:

Marina disse...

Realmente lamentável. Deviam ser mais sábios sabendo o peso de suas palavras na posição em que estão.

Anônimo disse...

Devem falar sim! Não pensam assim?! pra isso é que vivemos nessa falsa democracia, agora quem votou nesses candidatos é quem merece ser pressionados, tudo nesta vida deve ser questionado e nada deve permanecer intocavel, pelo erro de santificar algo que no intimo somos contra, mas não declaramos por medo de ser coagido, é uma Ditadura!

Ocorreu um erro neste gadget