Arquivo do blog

Compartilhe

24 de jan de 2012

Escritor pitanguiense é premiado em SP

Jorge exibe certificado e medalha que recebeu em concurso literário
(foto: Ricardo Welbert. 24/12/11)
O escritor pitanguiense Jorge Mendes Guerra Brasil participou do 27º Concurso de Poesias da Biblioteca Municipal João XXIII, em Mogi Guaçu, no interior de São Paulo. Ele concorreu pela categoria Adulto de Outras Cidades e foi agraciado com o 5º lugar. A cerimônia aconteceu no centro cultural da cidade, no dia 25/11. 

Certificado que Jorge recebeu
(foto: Ricardo Welbert. 24/11/11)
Mais de 800 participantes disputaram. Jorge conta que viu o anúncio do concurso em um folheto colocado na biblioteca pública de Pitangui e se interessou em participar. O regulamento exigia que cada participante enviasse dois trabalhos de sua autoria, que seriam lidos e analisados pela comissão julgadora. Jorge enviou seus poemas Retrocesso, publicado no livro Percorrendo Pitangui, de 2005, e O Milagre, contido no livro Minhas rimas, minha terra, nossas histórias, de 2007. 

Um mês depois, recebeu um telefonema da coordenadora, Iraci Beraldi Mascarini, informando que havia sido premiado em quinto lugar com Retrocesso. “Fiquei nas alturas, emocionado demais. Foi uma das coisas boas que aconteceram em minha vida. Saber que meu trabalho estava sendo reconhecido em outros lugares do nosso Brasil”, diz o escritor. 

Biblioteca João XXIII, em Mogi Guaçu, SP
(foto: arquivo pessoal de Jorge Mendes)
Recebendo o prêmio

Jorge embarcou de Belo Horizonte para Mogi Guaçu às 21h do dia 24/11. Passou a madrugada na estrada e chegou bem cedo na cidade onde seria premiado. Como o evento aconteceria às 17h, aproveitou o tempo livre para conhecer os pontos turísticos do lugar. “É uma cidade histórica muito bonita. Uma das maiores atrações é o museu sobre a estrada de ferro mogiana, que fez história no século vinte”, conta.

Registro feito pelo escritor Jorge Mendes no município paulista
(foto: acervo pessoal do autor)
Na hora marcada, estava na Biblioteca João XXIII, instalada no Centro Cultural de Mogi Guaçu. Ele conta que teve uma ótima impressão do ambiente. “A cidade é muito hospitaleira e aconchegante. Fui recebido muito bem”.

O escritor pitanguiense em seu momento de glória
(foto: acervo pessoal de Jorge Mendes)
Cerca de cem pessoas estiveram no auditório prestigiando os 36 participantes da competição que receberiam o certificado, uma medalha e uma coletânea com todos os trabalhos que participaram do concurso.

Público presente (foto: acervo pessoal de Jorge Mendes)
Jorge conta que alguns participantes se atrasaram e outros faltaram à cerimônia de premiação. Por já estar com sua passagem de volta comprada, precisou deixar o local do evento sem conversar mais com outros participantes. 

Analisando seu exemplar da coletânea que reuniu os textos que foram vitoriosos no concurso, Jorge lamenta que o nome das cidades dos autores não tenha sido publicado. Na página 7, onde está seu poema Retrocesso, o texto aparece da seguinte forma:

27º Concurso de Poesia

RETROCESSO

Busca-me ó sonhos da infância. 
Busca-me que eu quero ir, 
Aos sonhos de criança
Nas brincadeira e festanças. 
A pular, gritar e rir. 

Busca-me ó tempos de outrora. 
Busca-me que eu quero voltar, 
Àqueles tempos de glórias. 
Dos contos e das histórias
Que eu pasmava a escutar. 

Busca-me ó épocas douradas
Busca-me não tardes te peço
D’agora já estou cansado
Sinto falta do passado. 
Enoja-me este progresso

Busca-me ó criança que eu era. 
Busca-me e vamos brincar, 
De ciranda cirandinha. 
Busca-me, ah, quem me dera. 
Eu quero pra lá voltar. 

5º LUGAR

JORGE MENDES GUERRA BRASIL

CATEGORIA ADULTO OUTRAS CIDADES

“Se tivessem informado a cidade do autor, seria mais interessante. Eu gostaria de ver o nome de Pitangui na coletânea”, comentou o autor. 

Histórico

Jorge Mendes Guerra Brasil nasceu em Pitangui, em dois de outubro de 1945. Filho do jornaleiro Afonso Mendes e Maria Firma Mendes. 

O escritor conta um fato curioso sobre o pai. Diz que ele não teve uma profissão definida. Fazia de tudo um pouco. Na época em que viveu, pessoas como ele eram chamados de “jornaleiros”. Jorge acredita que tenha a ver com a palavra “jornadas”, pois a pessoa tinha diferentes jornadas de trabalho ao longo da vida. Assim como Jorge, o pai dele era autodidata. Tinha apenas o 2º ano de grupo escolar, mas, segundo o filho, tinha grande conhecimento, principalmente em política. 

Dona Maria Firma Mendes nasceu em Quartel Geral que, emancipada, tornou-se a hoje Dores do Indaiá. Conheceu Afonso em Pitangui. Casou-se com ele em 1942. Hoje, aos 93 anos, dona “Mariquinha”, como é conhecida, acompanha o trabalho literário do filho Jorge Mendes, comparecendo, orgulhosa, a todos os lançamentos de livros.

Jorge Mendes começou a criar versos e poesias na adolescência. Ele conta que se destacava na escola com suas produções. Mesmo depois de casado (em 1972), sonhava em publicar um livro. Sua primeira obra foi impressa em 2004, quanto tinha 58 anos. Hoje, aos 66, já está com quatro publicações e outra em fase de produção, com previsão de lançamento para o início de 2012. 

Outras premiações

O poeta “seu” Jorge já recebeu diversas premiações. 

Em nove de junho de 2004, foi premiado pela prefeitura de Pitangui com medalha de talento pitanguiense em comemoração ao aniversário do município. 

Em maio de 2007, foi homenageado pela Escola Municipal Lima Guimarães. A placa que recebeu diz: “o verdadeiro valor é daquele que cria, que mantém, que constrói, não apenas um dia, mas por toda vida”.

Em dezembro de 2007, foi agraciado com medalha de Honra ao Mérito da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Pitangui. A placa que recebeu traz os seguintes dizeres: “sorte nossa ter um escritor assim”. 

Em 9 de outubro de 2009, recebeu medalha do Mérito Educacional e Cultural “Professor José Morato”, oferecido pela Câmara Municipal de Pitangui

Em 6 de abril de 2009, recebeu Voto de Louvor na Câmara Municipal de Pitangui pelo lançamento de seu livro Minhas Gerais, com medalha pelo “brilhante trabalho literário que enaltece a cultura de nosso município”, assinada pelo então presidente da Casa, Alexandre Maciel de Barros. 

Em 25 de novembro de 2011, recebeu medalha, certificado e uma coletânea com todos os poemas (inclusive um seu) premiados no 27º Concurso de Poesias da Biblioteca Municipal João XXIII, de Mogi Guaçu (SP) na categoria Outras Cidades. 

Bibliografia



Pitangui em trovas, versos e prosasPrimeira obra do autor, publicada em 2004. Como diz o próprio título, reúne trovas, versos e prosas relacionadas a Pitangui. Uma delas, publicadas na página 64, é o Hino a Pitangui, composto (e tocado em vários eventos na cidade) por Jorge Mendes. “Posso ir para terras distantes e talvez não voltar mais aqui. Não me esquecerei um instante, ó minha pequena Pitangui, de suas serras altaneiras, dos rios onde sempre pesquei, de suas ladeiras famosas, jamais me esquecerei”, diz a letra. 



Percorrendo Pitangui Lançado em 2005. Composto por poesias carregadas de informações sobre as tradições de Pitangui, os bandeirantes, formação da Vila e seus pontos hoje turísticos. Traz fotografias antigas do município e alguns “causos” do povo pitanguiense.



Minhas rimas, minha terra, nossas histórias De 2007, é, segundo o autor, continuidade da obra Percorrendo Pitangui. Recheado com informações sobre figuras importantes que fizeram história em Pitangui, como Maria Tangará e Joaquina do Pompéu. Traz informações sobre pontos turísticos e outros lugares importantes da cidade. A poesia, típica do autor, tem presença marcante no livro. Ditos populares (todos verdadeiros) arrancam gargalhadas durante a leitura, como por exemplo: “sogra é como mandioca. A boa tá debaixo da terra”, “não mexa com a mulher do próximo. Principalmente se o próximo estiver muito próximo” e “duro é quando filho deixa de mamar na mãe e passa a mamar no pai”.



Minhas Gerais De 2009, a obra reúne contos, poemas e poesias selecionados pelo autor. O conteúdo do texto varia entre histórias reais e ficções que divertem os leitores. É dividido em três partes: cômicos, filosóficos/espirituais e poéticos. Cada um deles tem um pouco de verdade, mas a criatividade do autor ganha espaço em muitos deles. Entre todas as outra obras do autor, esta não fica limitada a Pitangui. Trata de assuntos que dizem respeito a todo o estado de Minas Gerais, como o fim das “maria-fumaças” e do leiteiro que vendia seu produto na lata, de porta em porta. A Revolução de 1932, da qual o pai de Jorge participou, também é mencionada no livro.

Contatos

Quer adquirir os livros do escritor pitanguienses Jorge Mendes Guerra Brasil? Entre em contato com ele pelos telefones: 37-3271-5987 ou 9971-3728.

3 comentários:

Selma Assis disse...

Muito bacana, Ricardo. Excelente reportagem e quem conhece o Jorge sabe que ele é um grande incentivador da cultura e história de Pitangui. Fiquei mto feliz por ele.

Giovanni M Pereira disse...

Ricardo, parabéns pela matéria e ao Jorge pela premiação.

Ricardo Welbert disse...

Obrigado, Selma e Giovanni! Também fiquei muito feliz com a premiação do nosso amigo. Passei uma tarde inteira na casa dele e conversamos muito a respeito de seu trabalho como poeta e artesão (aguardem nova postagem). Abraços!

Ocorreu um erro neste gadget