Arquivo do blog

Compartilhe

22 de nov de 2009

Você gostaria que alguém tirasse sua liberdade?

Se você pensa que o título desse post é uma campanha para a libertação de criminosos de alta periculosidade que estão amontoados nas penitenciárias brasileiras, está enganado. Trata-se de uma dissertação acerca da retirada da liberdade de alguns pequenos seres que não fazem mal a ninguém: a dos pássaros.

Quando criança, eu adorava passarinhos presos em gaiolas. Nos meus 10 anos, possuía em casa 3 penossos trancafiados em caixinhas com paredes de arames. Eu amava tratar dos bichinhos: checava se faltava alpiste, se a água de beber estava fresca e se as "banheiras" estavam limpas.

Hoje, ao ver minha tia Lena tratando dos passarinhos que tem, notei o desespero de um canarinho amarelo ao ver que, a menos de 5 metros do local onde sua gaiola estava, havia um vasto quintal com várias árvores, muito verde, muita natureza... O Sol estava brilhando em um céu azul, fazendo saltar aos olhos o verde da natureza. E o bichinho lá estava, preso.

Imagine você se nós, seres humanos, tivéssemos asas. Claro, este é um sonho antigo da humanidade. Se não fosse ele, não haveria avião. Pra quê sair do chão? Não fomos feitos pra isso. Os pássaros sim, que nasceram com asas, precisam voar. Agora pense que você é um desses passarinhos. Tem aí suas asinhas, suas peninhas que lhe dão uma excelente aerodinâmica e que um vasto céu azul está esperando para tê-lo planando ao embalo dos ventos. Até que vem alguém com um alçapão, oferecendo-lhe comida fresca. Em sua inocência, você vai comer. Até que te prende.

Coloque-se no lugar do canarinho de minha tia, que se debatia contra as grades de seu mundo metálico, babando pelo gosto do ar que encontra acima das cabeças humanas. Imagine você, louco, doido para utilizar as asas que Deus (ou a Natureza, como dizem os "esclarecidos") lhe deu.

Hoje eu odeio ver passarinhos presos. Não solto aquele canarinho porque ele pertence à minha tia. Se eu esperasse que ela se distraísse e libertasse o bichinho, ela ficaria muito triste, porque, para ela, é uma alegria imensa poder oferecer tanto conforto para um ser tão lindo (ela não teve filhos (e nem pode mais ter)). Será que ela perguntou pra ele se ele gostaria de se hospedar na gaiolinha que ela comprou, se mantendo às custas do alimento fornecido por ela?

Pois é. Por favor, pense melhor antes de dizer "que gracinha desse passarinho preso nessa gaiola. Ele deve estar muito feliz, afinal, aí dentro, não precisa ter o trabalho de procurar por comida e nem fica à mercê de seus predadores naturais". O grande problema está no fato de que, nós, homens "modernos", não temos "predadores naturais" e, a despeito da "evolução", a mentalidade de muitos de nós está bastante atrasada.

Se ficar preso é tão bom, tranque-se num hotel, num mosteiro, enfim, em algum lugar onde você ficará impossibilitado de ser livre para voar e aproveite bem sua estadia, comendo do bom e do melhor, com sua água fresca e sua banheira limpinha.

A imagem utilizada neste post foi originalmente copiada de http://afamaran.zip.net/index.html.

2 comentários:

Marina disse...

Muito bom. Também detesto ver passarinho preso, mas acredite não adintaria nada soltar o passarinho da sua tia depois dele já ter sido trancafiado. Menos ainda se tiver nascido em cativeiro, estudos mostram que depois de ficarem em cativeiro eles não conseguem mais procurar por alimentos sozinhos. Depois pra soltar tem que ter todo um trabalho, só especialistas mesmo no assunto podem fazer a coisa como se deve. Infelizmente essa é a triste realidade desses "pequenos". Mas eu concordo com o que disse, acho muito cruel. Ah, se eu tivésse asas... Com certeza usaria bastante! Quem não? Mas Deus sabe o que faz, não as merecemos!

Ricardo Welbert disse...

Nossa, Marina. Adorei. Seu comentário quase que me valeu um "sub-post' no blog, rs. Valeu!

Ocorreu um erro neste gadget